http://www.imprensaregional.com.pthttp://www.imprensaregional.com.pt/tvs
Diretor: Sérgio Silva (tvs@sapo.pt) | Última Atualização: 30-06-2017
logótipo
Publicidade
Edição:
Pesquisa:
| Penafiel
Câmara de Penafiel reduziu 5 milhões ao endividamento em 2016
21/04/2017, 03:42

A Câmara de Penafiel reduziu em cinco milhões de euros a sua dívida em 2016, avançou o presidente, Antonino Sousa.
O autarca considerou que "o ano passado foi muito positivo para as contas do município", ao ter sido possível, "graças a uma gestão municipal rigorosa e eficiente", diminuir a despesa corrente em 48% e amortizar empréstimos bancários de médio e longo prazo (27,5%), sem penalizar o investimento.
"Foi a maior redução dos últimos 12 anos", exclamou, admitindo estar "muito contente" com o resultado alcançado.
Antonino Sousa acrescentou que, no conjunto dos quatro anos enquanto líder da autarquia, a redução foi de cerca de três milhões de euros, explicando que a meio do mandato a dívida cresceu ligeiramente, mas foi possível recuperar nos anos seguintes, o que permitiu um salto positivo face a 2013.
O resultado assume maior importância, defendeu ainda, por ter sido alcançado num "mandato muito difícil", que atravessou o pico da crise financeira do país, com cortes nas transferências do Orçamento do Estado e diminuição nas receitas municipais.
Questionado sobre como foi possível reduzir o endividamento, o presidente da câmara insistiu no "rigor", nomeadamente na despesa corrente que foi cortada ao longo dos quatro anos.
O resultado cumpre assim, prosseguiu, uma das suas promessas para o atual mandato, que passava por diminuir o endividamento, sem comprometer as políticas sociais, o emprego e o investimento de proximidade.
Nos primeiros anos, recordou o autarca, a prioridade foi o investimento de proximidade, nomeadamente em obras nas freguesias, "muito importantes para as populações", e na segunda metade, já com a entrada em vigor do atual quadro comunitário de apoio (Portugal 2020), em obras de maior afetação financeira, mas sempre comparticipadas pela União Europeia.
Este foi também o primeiro mandato em que foi possível realizar obras comparticipadas por fundos europeus, sem recurso a financeiro bancário, assinalou ainda o presidente da autarquia.

Partilhar:
Comentários
Não existem comentários.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
This website is ACAP-enabled