http://www.imprensaregional.com.pthttp://www.imprensaregional.com.pt/tvs
Diretor: Sérgio Silva | Última Atualização: 23-11-2017
logótipo
Publicidade
Edição:
Pesquisa:
Newsletter:
Área do Subscritor:
| Nacional
Eleições: Filme dos acontecimentos da noite eleitoral
05/10/2015, 03:25


Domingo, 04 de outubro


19:00 - As primeiras projeções das televisões para a abstenção nas eleições legislativas de hoje ficaram entre os 35 e os 43%. A RTP avançou com uma previsão de abstenção de 35 a 40%, a SIC com 36,9 a 41,3% e a TVI entre os 39 e os 43%.


20:00 - As primeiras projeções das estações de televisão deram maioria à coligação Portugal à Frente, algumas com possibilidade de ir até à maioria absoluta. As projeções colocavam PS em segundo lugar, admitindo o BE como terceira força política, à frente da CDU.


20:07 - Candidatos, dirigentes e apoiantes do PSD e CDS-PP reunidos no hotel de Lisboa que serviu de "quartel general" da coligação Portugal à Frente celebraram com palmas e gritos de "vitória, vitória" a divulgação das primeiras projeções de resultados das eleições legislativas.


- A sondagem da Universidade Católica para a RTP, deu à coligação Portugal à Frente entre 38 a 43% dos votos (108 a 116 deputados), ao PS 30 a 35% (80 a 88 deputados), ao BE 08 a 11% (16 a 20 deputados), à CDU (PCP/Os Verdes) 07 a 09% (13 a 17 deputados) e abriu a possibilidade do Livre/Tempo de Avançar poder eleger um deputado, com cerca de 1% dos votos.

- A sondagem da Eurosondagem para a SIC deu a vitória à coligação Portugal à Frente (PaF) com 36,4 a 40,2% dos votos (100 a 108 deputados), ao PS 29,5 a 33,1% (84 a 90 deputados), ao BE 8,1 a 10,5% (16 a 19 deputados), à CDU 6,5 a 09% (15 a 18 deputados), ao Partido Democrático Republicano (PDR) 0 a 02% (com a possibilidade de eleger dois deputados) e ao Livre Tempo de Avançar 0 a 1% (com a possibilidade de eleger um deputado).

- A sondagem da TVI deu a vitória à PaF, com um intervalo entre os 36,8 e os 41,6% (106 a 118 deputados), ao PS 29,5 a 33,9% (77 a 89 deputados), ao BE 8,4 a 12% (15 a 23 deputados), à CDU 6,7 a 10,3% (12 a 20 deputados) e admitiu a possibilidade de o Livre Tempo de Avançar, o Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e o Juntos Pelo Povo (JPP) elegerem um deputado cada.


Depois das 20:00


- A cabeça de lista do BE por Lisboa, Mariana Mortágua, afirmou, citando as projeções, que o Bloco de Esquerda pode estar à beira do melhor resultado de sempre e que vê com muita preocupação a possível vitória da direita.

- O porta-voz dos sociais-democratas, Marco António Costa, considerou que as projeções de resultados das legislativas apontam para "uma grande vitória" da coligação PSD/CDS-PP e disse esperar que esta possa formar "um Governo estável".


- O diretor de campanha do PS, Duarte Cordeiro, reagiu às primeiras projeções das televisões considerando que os socialistas não atingiram os seus objetivos eleitorais, mas adiantou que não há qualquer força com maioria parlamentar e que a coligação PSD/CDS "perdeu a maioria que tinha".


- A CDU manifestou-se satisfeita com a suposta perda de maioria absoluta da coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP), desvalorizando o facto de surgir nas sondagens atrás do Bloco de Esquerda.

- O vice-presidente do CDS-PP Nuno Melo defendeu que as projeções apontam para que a coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP) tenha uma "legitimidade acrescida" e que o PS não tenha perdido "por poucochinho", mas com uma "derrota clara".


- O cabeça de lista por Lisboa do Livre/Tempo de Avançar, Rui Tavares, considerou que as projeções dos resultados eleitorais indicam que "acabou o arco da governação" e que o seu partido, que poderá eleger deputados, é a novidade.


Depois das 21:00


- O presidente do Partido Democrático Republicano (PDR), António Marinho e Pinto, afirmou que as projeções dos resultados eleitorais "apontam para uma radicalização aos extremos", considerando os próximos quatro anos "difíceis" para os portugueses.


- O líder e cabeça de lista do CDS-PP/Madeira, José Manuel Rodrigues, anunciou a sua demissão depois de o partido ter perdido o deputado que tinha na Assembleia da República.


- O líder do maior partido da oposição em Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, felicitou a coligação Portugal à Frente pelo que considerou uma vitória "clara" e "merecida" nas eleições legislativas.


Depois das 22:00


- A porta-voz do BE, Catarina Martins, avisou que "se a coligação de direita não tiver maioria não será pelo Bloco de Esquerda que conseguirá formar Governo", garantindo que vai rejeitar no Parlamento essa possibilidade de governo minoritário.


- O líder da Coligação Democrática Unitária (CDU), Jerónimo de Sousa, sublinha que a homóloga Portugal à Frente (PSD/CDS-PP) foi "fortemente" castigada pelo povo português nas eleições e defendeu que o PS tem condições para formar Governo.


- Os dirigentes do Comité Central do PCP agendam para terça-feira uma reunião para analisar os resultados das eleições legislativas, segundo fonte oficial dos comunistas, havendo ainda "espaço para debater as opções relativamente às presidenciais".


- O secretário-geral do PS assumiu hoje a responsabilidade pessoal e política da derrota nas eleições, mas não apresentou a sua demissão do cargo e defendeu que compete à coligação PSD/CDS encontrar soluções de governabilidade.


Depois das 23:00


- O secretário-geral do Partido Socialista anunciou que o PS reunirá a sua Comissão Política na terça-feira para discutir "serenamente" os resultados das legislativas e advertiu que nunca será "um problema", porque sairá quando sentir estar a mais.


- O dirigente socialista António Galamba pediu a demissão do líder do PS, António Costa, por considerar que falhou na unidade do partido e na conquista de uma maioria absoluta


- O líder do CDS-PP, Paulo Portas, afirmou que os partidos da coligação saberão "ler e respeitar" o que os portugueses transmitiram nas urnas, sublinhando que estes manifestaram querer que a coligação seja governo, mas sem maioria no parlamento.


- O presidente dos sociais-democratas, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje que PSD e CDS-PP vão reunir "de forma muito expedita" os respetivos órgãos nacionais para formalizar um acordo de Governo, na sequência da vitória nas legislativas.


Partilhar:
Comentários
Não existem comentários.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Ficheiros
This website is ACAP-enabled