http://www.imprensaregional.com.pthttp://www.imprensaregional.com.pt/tvs
Diretor: Sérgio Silva | Última Atualização: 23-11-2017
logótipo
Publicidade
Edição:
Pesquisa:
Newsletter:
Área do Subscritor:
| Internacional
Papa defende que países ricos devem sacrificar crescimento para ajudar mais pobres
18/06/2015, 18:06



O papa Francisco defendeu hoje que os países ricos devem sacrificar algum do seu crescimento e assim libertar recursos necessários para os países mais pobres, numa encíclica em que propõe uma revolução social, ambiental e económica.
"Chegou a hora de aceitar crescer menos em algumas partes do mundo, disponibilizando recursos para outras partes poderem crescer de forma saudável", escreveu o papa na encíclica "Laudato si" ("Louvado sejas")", publicada hoje.
Cobrindo temas que vão do ambiente ao desemprego, Francisco apela às potências mundiais para salvarem o planeta, considerando que o consumismo ameaça destruir a Terra - transformada em "depósito de porcaria" - e apontando o egoísmo económico e social das nações mais ricas.
"Hoje, tudo o que é frágil, como o ambiente, está indefeso em relação aos interesses do mercado divinizado, transformado em regra absoluta", critica Jorge Bergoglio.
Para o papa, não há dúvida de que o aquecimento global é consequência da ação humana, afeta principalmente os mais pobres, e é preciso que "a humanidade tome consciência da necessidade de mudar modos de vida de produção e de consumo" para o combater.
O consumo de combustíveis fósseis deve ser banido o mais depressa possível em favor de energias renováveis, defende Francisco, que reconhece que tal mudança não será possível sem que os países mais ricos aceitem ajudar os mais pobres.
Francisco critica um sistema económico que aposta na mecanização para reduzir custos de produção e faz com que "o ser humano se vire contra si próprio", defendendo que o valor do trabalho tem que ser respeitado numa "ecologia integral".
"Deixar de investir nas pessoas para obter maior retorno imediato é muito mau negócio para a sociedade", argumenta, advogando que a prioridade continue a ser "o acesso ao trabalho por parte de todos".
O papa considera que a conservação do planeta também passa por garantir habitação condigna e bons transportes públicos nas cidades.
"Não são apenas os pobres, mas uma grande parte da sociedade tem sérias dificuldades para conseguir casa própria", uma "questão central da ecologia humana".
Na "Laudato si", Francisco avisa para o perigo de dar o controlo da água às multinacionais, manifestando-se contra a privatização de um "direito humano básico".
"Enquanto se deteriora constantemente a qualidade da água disponível, em alguns lugares avança a tendência para privatizar este recurso escasso, convertido numa mercadoria que se regula pelas leis do mercado", critica o papa.
O líder da Igreja Católica refere ainda os "pulmões do planeta" repletos de biodiversidade como a Amazónia, a bacia hidrográfica do Congo e outros grandes rios ou os glaciares, todos eles lugares importantes para "todo o planeta e para o futuro da humanidade".
Francisco propõe ainda que se comece uma "discussão científica e social responsável e ampla" sobre o desenvolvimento e a utilização dos organismos geneticamente modificados para alimentação ou medicina.
"Embora não haja provas definitivas sobre eventuais malefícios dos cereais transgénicos para os seres humanos e estes tenham provocado um crescimento económico que ajuou a resolver problemas, há dificuldades importantes" sobre o uso destes organismos que não podem ser esquecidas, apontou.
O uso de transgénicos levou a que haja "concentração de terras produtivas nas mãos de poucos e o progressivo desaparecimento de pequenos produtores, que tendo perdido as suas terras, tiveram que se retirar" da agricultura, salientou.
A nova encíclica do pontífice é inspirada no "Cântico das criaturas", de São Francisco de Assis, que, em 1979, João Paulo II proclamou Padroeiro dos Ecologistas e está editada em Portugal na coleção "Voz da Igreja", da Paulinas.


Partilhar:
Comentários
Não existem comentários.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Ficheiros
This website is ACAP-enabled